Varizes pélvicas: o que são, causas, sintomas e tratamento

Autor: Dr. Victor Hugo

Médico vascular, especialista no tratamento de varizes e outras doenças vasculares, atuante em Fortaleza, Ceará.

O que são varizes pélvicas?

As varizes pélvicas são veias dilatadas e defeituosas que podem surgir próximo ao útero, na região pélvica, sendo causa frequente de dor pélvica crônica e recidiva das varizes após uma cirurgia.

Quais os sintomas de varizes pélvicas?

Os principais sintomas são:

  • Dor pélvica crônica com pelo menos 6 meses de duração;
  • Dispareunia ou dor pós-coito (dor pélvica durante ou após relação sexual);
  • Sensação de “peso” no períneo;
  • Urgência para urinar

Além destes sintomas, podem surgir também:

  • Varizes no períneo ou na vulva, mais frequente do lado esquerdo (elas podem piorar durante o período menstrual);
  • Varizes no glúteo;
  • Varizes nas pernas, principalmente parte posterior e na face interna das coxas

Qual a causa das varizes pélvicas?

Para entendermos o que são varizes pélvicas (também conhecida como varizes do útero) e qual sua relação com as varizes das pernas, precisamos relembrar um pouco a anatomia da circulação venosa.

As veias das pernas e da região pélvica levam o sangue até veias maiores localizadas no abdome (veias ilíacas e veia cava inferior) para que ele seja transportado até o coração.

Diversos fatores podem alterar essa via normal do sangue, dentre eles: variações da anatomia venosa, alterações hormonais e gestacionais.

A “fraqueza” da parede das veias é o principal, pois predispõe à dilatação do vaso que, associado ao refluxo sanguíneo, contribui para a formação das varizes. A circulação da pelve também sofre alterações relacionadas ao ciclo hormonal feminino, bem como durante o período de gravidez, no qual o aumento do volume do útero causa compressão das veias abdominais, dificultando a passagem do sangue das pernas e pelve de volta para o coração, levando a dilatação das veias que podem passar a dar sintomas.

Outras causas que devem sempre ser investigadas são as alterações anatômicas onde estruturas do próprio corpo fazem a compressão das veias, tendo como exemplos:

  • Síndrome de Quebra-Nozes (Síndrome de Nutcracker): causada pela compressão da veia renal esquerda pela artéria mesentérica superior e a aorta. Surge normalmente como dor na região das costas a esquerda, sangramento na urina (visível a olho nu ou não) e varizes pélvicas.
  • Síndrome de May-Thurner: causada pela compressão da veia ilíaca comum esquerda pela artéria ilíaca comum direita.

Os sintomas geralmente são inchaço na perna esquerda, sensação de peso na perna esquerda mais ao final do dia e varizes mais proeminentes na perna esquerda. Um detalhe superinteressante é que as varizes pélvicas devem ser lembradas e pesquisadas nos pacientes que já trataram varizes das pernas, mas as veias defeituosas reapareceram rapidamente.

Como descobrir as varizes pélvicas?

Uma vez suspeitado que a causa dos sintomas da paciente sejam as varizes pélvicas, alguns exames complementares podem ajudar no diagnóstico e no planejamento do tratamento, dentre eles:

  • Ultrassonografia transvaginal (ultrassom transvaginal): consegue medir o calibre das veias pélvicas, bem como avaliar como está o fluxo do sangue nelas.

Quando possuem refluxo e diâmetro maior do que 7mm, dá-se o diagnóstico das varizes pélvicas. Por ser um método examinador-dependente, ou seja, o resultado depende da habilidade do médico que está realizando, quando tem resultado negativo, não é possível excluir a doença.

  • Tomografia Computadorizada e Ressonância Nuclear Magnética: são os melhores métodos não invasivos para avaliar a presença das varizes pélvicas e diagnosticar algumas causas (síndrome de quebra nozes e May-Thurner).
  • Flebografia pélvica: método realizado através de uma punção da veia, pela qual é passado um cateter e injetado contraste. Através desse exame consegue-se estudar as veias pélvicas (uterinas, lombares), renais e das pernas, detectando-se onde está o problema e já sendo possível realizar o tratamento no mesmo momento.

Qual o tratamento para varizes pélvicas?

O tratamento pode ser feito através de medicações para o controle dos sintomas (alívio da dor, da sensação de peso nas pernas) ou por meio de técnicas endovasculares para “fechamento” das veias defeituosas.

O tratamento das varizes pélvicas com remédios é feito com substâncias venotônicas (agem da parede das veias, tornando-as mais fortes) e servem para aliviar os sintomas de dor pélvica, dor durante relações sexuais, sensação de peso nas pernas, porém essas medicações não fazem sumir as veias dilatadas.

O tratamento endovascular das varizes pélvicas é feito por meio de uma punção em uma veia da virilha ou do pescoço (jugular) e, através dela, injeta-se substâncias para embolizar (entupir) as veias defeituosas.

Ele possui excelentes resultados, com estudos demonstrando melhora dos sintomas em até 90% dos casos.

Quem tem varizes pélvicas pode ter parto normal?

Sim!!! Como explicado mais acima no texto, a gravidez pode aumentar as varizes pélvicas e seus sintomas, portanto o ideal é que elas sejam tratadas antes que se inicie uma gestação, porém, mulheres que engravidaram sem trata-las não possuem contraindicação ao parto normal, devendo seguir as recomendações do obstetra.

Pessoas também leram esses artigos…

Salto alto causa varizes?

Salto alto causa varizes?

Um dos itens mais adorado pelas mulheres: o salto alto! Afinal, ele é o vilão causador das varizes?...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Agendar uma consulta